11 de dez de 2009

SELVA DE PEDRA - A FORTALEZA NOIADA

Documentário produzido na capital cearense pela CUFA aborda a questão do consumo de crack na cidade.


Há quase uma década o crack invadiu Fortaleza, conquistando novos consumidores em todos os setores sociais e faixas etárias. Outras mazelas sociais estão associadas ao uso de crack. A CUFA-CE buscou levantar essa questão, a partir da produção de um documentário, a ser lançado dia 01 de dezembro no Plenário 13 de Maio da Assembléia Legislativa do Ceará, em Fortaleza.


Confira!


Fortaleza convive com diversas mazelas sociais, entre elas o uso de drogas por parte da juventude — em particular o crack, sendo este um fator que reproduz outras novas mazelas.


Contendo até 75% de cocaína pura, o crack é considerado a forma mais eficaz de causar consumo compulsivo e dependência, produzindo imediatamente efeitos psicofísicos, com pico em cinco minutos.


A intensidade da euforia obtida parece contribuir para o potencial de dependência da droga, também proporcional à “fissura” pelo reuso da substância, que surge assim que os efeitos começam a dissipar-se — entre 10 a 20 minutos após a administração (por inalação da fumaça) levando à busca compulsiva por nova administração (“paulada”).


Os efeitos físicos observados são taquicardia, hipertensão, pupilas dilatadas, tensão muscular, tremores e sudorese intensa, e o uso crônico acarreta perda de peso significativa.


Há quase uma década o crack invadiu Fortaleza, conquistando novos consumidores em todos os setores sociais e faixas etárias, tanto pelo preço como pela capacidade de drogadição. É visto como uma droga “democrática”, que tem se alastrado de forma crescente ano após ano, deixando grande rastro de destruição por onde é usado.


Embora os primeiros episódios de consumo sejam marcados por euforia, sensação de bem-estar e desejo por repetir o uso (efeitos psíquicos desejáveis), a continuidade do consumo resulta em ansiedade, hostilidade e depressão (efeitos psíquicos colaterais indesejáveis).


Observou-se que os usuários tendem a consumir álcool para tentar obter o controle da ansiedade. Mas este mecanismo de controle não funciona e leva à dependência alcoólica.


Continuando o consumo do crack, doses mais altas muitas vezes produzem ilusões perceptivas (visuais e auditivas) e, finalmente, a psicose cocaínica, caracterizada por extrema hipervigilância, delírios paranóides e alucinações. As diversas readministrações podem acarretar períodos de consumo de horas e até dias, geralmente até o esgotamento do suprimento da droga. Nessas condições iniciam-se os casos criminosos — que passam a caracterizar a criminalidade aquisitiva, responsável pelo aumento (surtos) da violência.


Além disso, outras mazelas sociais estão associadas ao uso de crack, como a disseminação de DSTs/AIDS, hepatite, tuberculose, a troca da droga por sexo, a de vínculos conjugais, familiares, comunitários e sociais e a situação de risco (vida na rua) que é comumente observada em vários usuários.


O documentário Selva de Pedra – A Fortaleza Noiada encampa o desafio de fazer emergir com clareza e profundidade o fenômeno do consumo do crack na cidade e se propõe a fornecer elementos para que a sociedade e o poder público possam refletir juntos sobre esta problemática, de modo a preencher um vácuo na instrumentalização das políticas públicas de prevenção (que envolvem aspectos de saúde, educação, segurança etc.), tanto por parte do

Município como do Estado.


O objetivo maior é o de contribuir para o desenvolvimento de alternativas capazes de promover o possível enfrentamento competente desta grave patologia social, bem como instrumentalizar as fórmulas adequadas — para obter a recuperação dos jovens que se tornaram suas vítimas, bem como dos que ao seu redor foram atingidos, de alguma forma, pelos seus impactos sociais.


No seu todo, o registro audiovisual (DVD) faz um diagnóstico do perfil dos jovens usuários de

crack e um CD aborda musicalmente a temática do uso da droga em cidades cearenses, enquanto um livro sistematiza linearmente estes conteúdos — este kit intenta ser um contributo para a produção de conhecimentos sobre o tema e na elaboração e execução de estratégias eficazes e capazes de realizar o enfrentamento urgente da questão.

A meta é traçar um paralelo com o atual quadro hoje observado na capital cearense e expor os desafios que emolduram este “câncer social”, sentido, em verdade, por todos os seus moradores, porém com mais força nos setores ditos “populares”. Um dos resultados previstos é o lançamento da campanha Rede Aliança Social Contra o Crack, que ganhará repercussão após o lançamento do trabalho.

Como no documentário “Falcão - Meninos do Tráfico”, dos cariocas MV Bill e Celso Athayde, por meio do qual todo o Brasil conheceu uma outra face da violência, Selva de Pedra – a Fortaleza Noiada mergulha no circuito que envolve, ao mesmo tempo, os lados mais underground e mais elitizado da cidade, delineando uma cartografia das zonas atingidas pela droga e mostrando a estrutura do mercado que a envolve, as pessoas que dele participam, seu funcionamento, organização (ou desorganização), e seus códigos e leis internas, buscando desmistificar o discurso repressor-estatal, assim possibilitando uma análise mais aproximada da realidade que envolve esse complexo problema.

Selva de Pedra – A Fortaleza Noiada trata de ir além da postura "denuncista", "panfletária" ou mesmo a de "buscar culpados" entre as autoridades. O desafio, entretanto, é trazer à tona todas as contradições, dilemas e dificuldades envolvidos para entender e intervir em uma das maiores “pragas” que já recaiu sobre a juventude fortalezense e do Brasil, além de refletir sobre o impacto no aumento dos números de crimes relacionados ao consumo desta droga (situação que infelizmente se apresenta também em centros urbanos de todo o País).

A idéia central do documentário expande a usual visão estreita e limitada, maniqueísta, policialesca e de viés patológico, ou seja, restrita a uma abordagem em que o usuário é encarado ou como um doente ou como um bandido. Mais uma vez, o objetivo maior é trazer a público um olhar eficiente sobre os danos sociais que a droga acarreta ao usuário e ao seu entorno psicossocial. O CD Coletânea sobre o Crack, que integra o kit Selva de Pedra - A Fortaleza Noiada, traz uma faixa multimídia (interativa) com as cenas do documentário (acesse trailer em http://www.youtube.com/watch?v=Dz0BGThxD58) e foi lançado dia 20 de junho, na final cearense do Festival RPB-Rap Popular Brasileiro, no Condomínio Cultural da CUFA Ceará (Teatro da Boca Rica / Praia de Iracema).

O documentário tem pré-lançamento agendado nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do País — também atingidas, cada qual à sua maneira particular, pela epidemia do crack.

Nenhum comentário: