5 de jan de 2010

Projeto Pixaim vai circular por 30 municípios



O Projeto Pixaim, que divulga o livro “Cabelo Ruim?” e realiza oficinas de tranças afro, ganhou um novo e importante aliado. O Grupo André Maggi, considerado um dos principais grupos empresariais no setor do agronegócio no país, firmou parceria com os idealizadores do projeto para patrocinar as atividades do Pixaim durante 2010 em 30 municípios de nove regiões do Estado. O patrocínio será feito por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet.








Graças à parceria, serão realizados nos municípios lançamentos do livro, atividades de leitura e demonstrações de tranças afro e apresentação de uma peça teatral baseada na história do livro. “Além de bem estruturado e consolidado no cenário regional, o Projeto Pixaim traduz alguns dos principais compromissos institucionais assumidos pelo Grupo André Maggi, como a busca pela eqüidade de gênero e raça e a promoção da educação”, destaca o presidente do Grupo André Maggi, Pedro Jacyr Bongiolo.

Além de Cuiabá, a ação atingirá os municípios de Rondonópolis, Primavera, Jaciara e Campo Verde (Região Sul); Barra do Garças, Canarãna e Nova Xavantina (Região do Médio Araguaia); Chapada dos Guimarães e Poconé (Região da Baixada Cuiabana); Cáceres, Mirassol d’Oeste, Pontes e Lacerda e São José dos Quatro Marcos (Região Oeste); Vila Rica e Canabrava do Norte (Região do Baixo Araguaia); Barra do Bugres, Diamantino e Tangará da Serra (Região do Médio Norte); Alta Floresta, Colíder, Guarantã do Norte e Peixoto de Azevedo (Região do Nortão); Juara, Juína e Juruena (Região Vale do Arinos). As atividades acontecerão em escolas e outros espaços públicos.
O Projeto Pixaim, será também uma grande ação de incentivo à leitura. Ao todo, cinco mil exemplares do livro “Cabelo Ruim?”, da jornalista e escritora Neusa Baptista, que também coordena o projeto, serão doados a bibliotecas e escolas. Lançado em 2007, o livro conta a história de três meninas – Bia, Tatá e Ritinha – que se vêem às voltas com o preconceito sofrido devido ao fato de serem negras e possuírem o cabelo crespo, chamado pejorativamente de “pixaim”, “bombril” etc. Por meio da amizade, elas descobrem a importância de valorizar sua estética para se sentirem bem consigo mesmas. A obra tem despertado o interesse de pais, educadores, pesquisadores, ONGs e outras entidades de todo o País, e chegou a ser sugerido como dica de leitura nos Cadernos da Conferência Nacional de Juventude, no item “Diversidade”.
O Projeto
Elaborado inicialmente em parceria com a editora TantaTinta, responsável pela publicação do livro, o Projeto Pixaim foi aprovado para captação de recursos via Lei Rouanet em janeiro de 2008. No mesmo período, Neusa Baptista firmou parceria com o Núcleo Maria Maria, da Central Única das Favelas (CUFA-MT), onde o Projeto Pixaim foi inserido, passando a oferecer também oficinas de tranças afro e teatro e agregando a geração de renda como meta. Desde então, várias ações do projeto têm ocorrido em Cuiabá e municípios da Baixada Cuiabana no âmbito do Núcleo Maria Maria, tendo como carro-chefe as oficinas de tranças afro e atividades de leitura voltadas especialmente a mulheres e meninas da periferia. E os resultados já são visíveis. De abril a julho de 2009, o Projeto Pixaim formou cinco trançadeiras, que hoje já geram renda com a confecção das tranças, além de levarem o conceito da autoestima e da valorização da estética negra.
O Projeto também já realizou importantes parcerias, tendo sido reconhecido como Ponto de Cultura, ação do Programa Cultura Viva, coordenado pelo Ministério da Cultura em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura. As ações, que serão desenvolvidas no Centro Esportivo Cultural da CUFA-MT, no bairro São João Del Rey, em Cuiabá, terão duração de três anos, com oficinas de tranças afro, bonecas negras, leitura e diversas outras atividades culturais.“Hoje, o projeto oferece capacitação profissional e, ao mesmo tempo, discute valorização da estética negra, auto-aceitação e autoestima, que são idéias centrais do livro. E é um pouco disso que vamos levar para os municípios”, explicou Neusa Baptista.
Grupo André Maggi
Fundado há mais de 30 anos, é um grupo de empresas do setor do agronegócio que atua na produção e comercialização de grãos, fertilizantes, transporte fluvial e energia. É composto pela Amaggi – Exportação e Importação Ltda... Divisão Agro, Hermasa – Navegação da Amazônia Ltda. e a Maggi Energia. Conta ainda com a atuação social da Fundação André Maggi.
Por Fernanda Quevedo.

Nenhum comentário: